jan 21 2018

A ilusão masculina

ilusão masculina

Neste post, tratamos da ilusão masculina com relação ao que gostaríamos que as mulheres fossem, segundo nossas idealizações, que nada têm a ver com a realidade.

Falaremos sobre a crença na existência de um mundo cor-de-rosa e da importância de não criarmos expectativas divergentes com os fatos.

A ilusão masculina

Um dos mais graves erros que o homem comete é o de querer que as mulheres sejam diferentes do que são de verdade. Projetamos nelas nosso desejo de que elas sejam conforme gostaríamos, e essa é a base de todo o nosso inferno emocional nas relações.

Na nossa ilusão masculina, gostaríamos que as mulheres:
– Fossem fieis
– Fossem sinceras
– Que valorizassem a virtude
– Que retribuíssem o amor com amor
– Que sentisse aversão pelos maus
– Que não se sacrificassem pelos cafajestes
– Que não se entregassem aos imprestáveis
– Que se sentissem plenas na companhia dos homens de bom caráter
– Que recusassem sua virgindade aos playboys
– Que oferecessem a virgindade aos homens que as amam de verdade
– Que fossem sinceras nos sentimentos
– Que nos compreendessem
– Que não nos evitassem quando percebessem que estamos apaixonados
– Que não nos atraíssem simplesmente para poderem nos rejeitar em seguida
– Que não brincassem com os nossos sentimentos
– Que dessem mais valor a nós do que aos amigos e parentes
– Que não tivessem um círculo social estúpido
– Que se dedicassem a nós como nos dedicamos a elas

Entre muitas outras coisas mais!

Essas expectativas geram um inferno mental pois conflitam com a realidade. A mulher que idealizamos em nossas mentes é uma farsa, não existe, e quem não aceita essa realidade enlouquece hora ou outra.

Esse tipo de idealização é o que chamamos de “Matrix”, e nossos sonhos matrixianos cedo ou tarde serão destruídos violentamente pela realidade que nos baterá forte na cara.

Somente pela morte do ego, pela dissolução do “Eu”, é que será possível sair dessa ilusão, e aqueles que não aceitarem e insistirem em manter-se nesse sonho cor-de-rosa não suportarão o choque de realidade e sucumbirão intelectual, moral e emocionalmente.

Battered man syndrome

Battered man syndrome ou síndrome do homem maltratado (também existe a versão feminina, infelizmente) caracteriza-se pelo sofrimento infligido pelas mulheres aos seus maridos ou parceiros, tanto fisica como, pior, emocionalmente.

Homens nessa situação geralmente não têm a quem recorrer, tanto porque a maioria das leis só favorecem as mulheres quanto pelo próprio estigma que isso pode lhes causar devido ao julgamento alheio.

Em boa parte dos casos de violência e passionalidade dos homens para com as mulheres advém dessa pressão psicológica e emocional que estes sofrem em casa. Como somos claramente inferiores a elas quando o assunto é emoção, e não sabemos muitas vezes como lidar com ela, o homem acaba partindo para a violência física, podendo ocasionar em crimes terríveis noticiados diariamente nos jornais.

Explica, mas não justifica, e é por essa razão que temos procurado trabalhar esses pontos através deste blog, juntamente com nosso fórum.

Acabe com as expectativas

Somente é possível conviver com as mulheres sem enlouquecer e sem se autodestruir aqueles que eliminam de si todas as expectativas idealizadas e infantis, aceitando a realidade da perversidade do ego feminino e sem se debater com o inevitável.

Matar nosso ego envolve matar nossos desejos, expectativas, sonhos e ilusões. A dor surgirá sempre que a realidade confrontar-se com nosso desejo, por isso é imprescindível aceitarmos os fatos, não perdendo tempo dando murro em ponta de faca e, enfim deixando de sofrer estando em sintonia com a realidade.

Os erros dos matrixianos

Homens que vivem na Matrix sentimental não querem aceitar a realidade nua e crua e tentam fugir optando geralmente por dois caminhos:

1 – Tentam insanamente serem felizes no amor insistindo nos mesmos erros com cada mulher diferente pela qual se apaixonem, pulando de fracasso em fracasso.

2 – Caem de vez na gandaia tentando afogar as mágoas e apaziguar a consciência e o coração destroçados.

Um matrixiano, quando arrancado bruscamente de sua ilusão por um fato irrefutável, como um flagrante de traição, tem suas defesas psicológicas totalmente arrasadas devido ao choque de realidade que recebe.

Não sabendo como lidar com a situação e com seus sentimentos, é nesses momentos que enlouquecem e matam a companheira e depois se suicidam ou se entregam definitivamente ao álcool e às drogas, acabando com qualquer possibilidade de seguir com a vida adiante.

De onde vem nossa ilusão matrixiana?

A crença na santidade feminina e em relacionamentos cor-de-rosa são incultidas em nossas mentes desde que nascemos. manipulados pela mídia, nos fazem acreditar em ideias absurdas sobre paixão e romantismo que não têm ligação com a realidade.

Crescemos recebendo uma avalanche de afirmações de que as mulheres são santas, perfeitas e estão certas em tudo, e precisamos nos desdobrar para satisfazer-lhes os caprichos. E, claro, nunca estará bom o bastante.

Nós, homens, somos educados a servirmos e darmos nossas próprias vidas a elas se for preciso, mas nunca o contrário. Todas as leis são favoráveis às mulheres, ignorando-se quaisquer possibilidades de o homem ter passado por infernos emocionais provocados intencionalmente por suas parceiras.

E, para piorar, muitos de nós reluta em aceitar essas verdades e ainda saem em defesa das feministas, que, na melhor das hipóteses, não está nem aí para eles! Elas não lutam por igualdade, mas pela supremacia feminina!

Esse tipo de homem é o que chamamos de mangina (man + vagina), ou seja, é o cara que luta contra o seu próprio gênero de tanto que o matrixianismo está impregnado em seu subconsciente, como se eles tivessem uma vagina no meio de suas pernas.

O que fazer então para sair da Matrix e parar de sofrer?

Até aqui, você já descobriu que a causa de seu sofrimento é a oposição entre o que você acredita e deseja e a realidade numa e crua da natureza feminina.

Dessa forma, quanto mais você tentar fazer sua parceira se adequar à suas expectativas, pior ficará o inferno emocional, já que ela terá que ir contra a própria natureza dela.

Por outro lado, você também não pode aceitar tudo, pois é aí que a coisa degringola de vez. Você vai se dar conta de quem é realmente a mulher que tem ao seu lado, sabendo se ela tem limites ou não. Você descobrirá até onde ela suporta a própria bagunça que provocou.

Isso não é um incentivo para que os homens saiam por aí terminando relacionamentos, mas que não se perturbem com o fim destes.

Você não tem que arcar com as pilantragens amorosas da sua parceira, mas também não tem que apontar uma arma para ela obrigando-a a ser do jeito que você queria que ela fosse.

Aceite-as como elas são, pois é assim que você conseguirá trabalhar o próximo ponto, que é devolver-lhes as consequências por seus atos.

Devolvendo consequências

Homens que relutam em aceitar a natureza feminina tal como ela é acabam segurando um tremendo rojão que explodirá em suas mãos.

Entenda que a pessoa que trapaceia no amor está assinando um atestado de que não presta, de que é desonesta, o que te autoriza a não respeitá-la também através da perda da estima, da admiração e do consequente desprezo e afastamento definitivo.

Quando notar que está sendo trapaceado pela companheira, informe-lhe que tem consciência dessa desonestidade e que a falta de comprometimento um com o outro será, a partir de então, a regra da relação.

Nessahan Alita, em “Reflexões Masculinas”, nos dá um exemplo:

Se, por exemplo, uma mulher deixa de cuidar do esposo para sair com
“amigas” (e sabemos que as amigas costumam acobertar e facilitar o adultério), ele está moralmente autorizado a encontrar outra mulher para preencher aquele tempo.

É claro que não recomendo o adultério e sim a separação definitiva. Mas isso não necessita, no caso do esposo trocado pelas amigas, ser feito logo na primeira vez, pois pode dar-se o caso da mulher corrigir- se após receber uma boa lição.

Permita que a mulher seja livre

Aceitar totalmente o lado negativo da mulher, lembrando que elas também têm seu lado maravilhoso e divino, que não são o foco dos nossos artigos, mas que mesmo assim não os negamos, significa deixá-la livre para ela ser como desejar.

Deixe-a viver a vida como quiser, porém, não significa que ela possa fazer o mesmo com a SUA vida. Há um limite até para a tolerância e você tem que impor os limites que está disposto a aceitar ou não. Ela tem o direito de levar a vida dela como desejar, assim como você tem o escolher participar disso ou não. Simples assim, sem imposições de nenhum lado.

Concluindo

A melhor maneira de neutralizar as artimanhas, trapaças, torturas mentais, mentiras, traições, manipulações e outras formas de agressão emocional, é aceitando conscientemente a natureza feminina como ela é, nua e crua.

Sem que precisemos fazer nada, os efeitos dessa desonestidade voltarão à própria espertinha trapaceira.

Você tem que aceitar verdadeiramente essa realidade, e não apenas fingir que acredita. Não minta para si mesmo, pois estará se enganando e continuará preso à Matrix. Não se iluda.

Aceitar verdadeiramente resulta em compreensão, e é a única maneira eficaz de desarticular os infernos emocionais ao mesmo tempo em que devolve as consequências à desonestidade da mulher.

Você só conseguirá atingir esse estado interior a partir do momento em que eliminar de si todas as expectativas idealizadas.

A convivência com uma mulher é uma escola psicológica, da qual, podemos sair livres, felizes, fortalecidos ou derrotados. Nessa última hipótese, nosso destino será o hospício, o cemitério ou a prisão.

A boa notícia é que você tem o poder de escolher entre vencer e perder.






Gostaria de acrescentar algo? Comente abaixo: