Sexo sem Amor – Reflexões Masculinas

fev 11 2018

Sexo sem Amor

sexo-sem-amor

Chegue numa mulher e proponha a ela para que façam sexo sem amor, e provavelmente você levará um tapa na cara.

Porém, se um rockstar fizer o mesmo, ele não será rechaçado como você foi. Por quê?

É o que iremos descobrir neste tópico.

Para cada homem um tratamento diferente

Aposto que, enquanto você lia o primeiro parágrafo, deve ter pensado: “Ora, claro que ela se ofendeu, ela não é uma vadia”, mas, ao ler o segundo parágrafo, você acabou concordando: “Puxa, é verdade… E agora?”

Esse é um dos dilemas que nos servem como tapa na cara na hora de acordarmos para a realidade feminina: essa repulsa pelo sexo sem amor não tem nada a ver com sentimentos nobres ou evolução espiritual das mulheres.

Se assim o fosse, homens ricos e famosos seriam também rechaçados, mas não é o que acontece. Se um cantor descer do palco e se dirigir a uma mulher desconhecida da plateia propondo pura e simplesmente sexo, ele não será rejeitado e muito menos ela se sentirá ofendida. Pelo contrário, ainda se sentirá uma premiada e causará inveja às demais.

Por que, então, elas agem de modo diferente com cada tipo de homem?

A guerra dos sexos

As mulheres sentem-se indignadas se um homem comum solicitar sexo sem amor devido ao seu instinto de preservação e pelo fato que esse tipo de relação sabota seus planos egoístas de submeter o macho pela paixão.

Nós, homens, tentamos trapacear para obtermos sexo sem amor, enquanto elas tentam trapacear para receberem amor sem dar sexo e amor de volta.

É uma guerra suja e desonesta de ambas as partes, mas com uma sutil diferença: nós as queremos muito e elas nos querem pouco. Por isso perdemos nos jogos emocionais.

Sexo sem amor

Para a mulher, o envolvimento puramente sexual isento de sentimentos acaba com seus sonhos de obtenção de um escravo emocional.

Ela sabe que um homem firme que não se apaixona é altamente apaixonante e poderá vencê-la em suas fraquezas, dominando-a. Por isso elas rechaçam logo de cara aqueles que se aproximarem já mostrando o que querem.

Essa indignação se deve, então, ao medo que têm de verem o feitiço virar contra o feiticeiro, ou melhor, contra a feiticeira! Portanto, não há nada de nobre nisso.

Esse feitiço é a capacidade que elas possuem de simular paixão quando no fundo nada sentem. E elas criarão um clima tal que o homem cai nesse engodo, dizendo que elas amam homens apaixonados, que sem paixão não se vive, que sexo sem paixão é horrível e sem sentido e que devemos nos entregar aos sentimentos e deixar rolar.

Ao mesmo tempo em que elas simulam apaixonamento para o homem idôneo, elas estarão sofrendo na verdade pelos insensíveis desapaixonados.

Isso não quer dizer que devemos ser sempre desonestos, mas ilustra realisticamente uma situação desagradável que ninguém quer admitir com imparcialidade.

O desejo sexual feminino

Nessahan Alita diz que o sexo sem amor também é rejeitado devido à baixa intensidade do desejo estritamente sexual da mulher.

Apesar de existir, o desejo feminino não é tão avassalador quanto o masculino, e por isso muitas vezes elas preferem fazer outras atividades do que transar.

Por isso que é bem mais fácil provocar a ereção homem do que uma lubrificação vaginal em uma mulher, ou seja, é mais fácil elas nos deixarem sexualmente enlouquecidos do que o contrário.

As fêmeas perseguidas são muitas, enquanto que os machos perseguidos são poucos. Os orgasmos femininos são mais raros que os masculinos, e ainda que haja um grande gasto energético, o homem quer sexo todos os dias, enquanto que a mulher só o desejará de vez em quando.

“Ah, mas tem mulher que é tarada! E as ninfomaníacas?”

As ninfomaníacas

Apesar de também existir o desejo puramente sexual nas mulheres, comparado ao nosso ele é ínfimo, e no caso das ninfomaníacas eles não são apenas físicos, mas envolvem também outros desejos e sentimentos.

Os gritinhos, loucuras e malabarismos que elas fazem na cama é uma mescla de fingimento com auto-indução e desejo de sentir emoções de múltiplas naturezas, como desejo de ser gostosa, de vencer as rivais, de impressionar o homem para prendê-lo e manipulá-lo para obter algo cobiçado, etc. O desejo puramente sexual é muito fraco na realidade.

Todo esse mesclado performático pode nos fazer acreditar que elas têm um desejo sexual muito intenso.

A prova disso é que elas não ficam molhadinhas por qualquer homem, e se um dos ingredientes citados acima é perdido, o interesse também desaparece repentinamente.

Ao que parece então, não somente nós, mas também elas acabam acreditando que são cheias de desejo sexual, pois são capazes de acreditar nas próprias dramatizações, mentiras e simulações que fazem, sem perderem completamente a consciência disso.

A masturbação feminina e a influência da mídia

Outro argumento usado para afirmar que o desejo puramente sexual da mulher é intenso é a masturbação e a lubrificação vaginal.

Só que a masturbação feminina não ocorre simplesmente por um intenso desejo sexual, mas pela indução comportamental promovida pelos meios de comunicação, que por décadas vem dizendo que mulheres infelizes devem se masturbar “porque é bom, correto e saudável”. O mesmo se pode aplicar à lubrificação vaginal.

Da mesma maneira, por serem altamente suscetíveis às más influências, elas são induzidas através das novelas a enxergarem os maridos como sendo seus inimigos, e que trair é bom e recomendável.

Como, então, o desejo puramente sexual feminino é ínfimo comparado ao poderoso desejo masculino, as mulheres assediadas (não no sentido negativo) rechaçam o assédio masculino quando estes não incluem o amor, mas ainda assim sentem-se bem por saberem que despertam o nosso desejo.

Por que, então, elas agem de modo diferente com cada tipo de homem?

Obviamente, existem os casos que fogem à regra, pois homens ricos e famosos são assediados constantemente pelas mulheres e não serão rechaçados se propuserem a elas sexo sem amor.

E por que isso acontece? Simplesmente porque elas os consideram como “machos superiores”, dignos de merecerem o “prêmio” de obter delas sexo de qualidade sem necessariamente ter amor envolvido.

E não haverá qualquer sinal de repulsa, pelo contrário, ela se sentirá uma “premiada” e será invejada pelas demais.

Para piorar, se essa mesma mulher tiver um namorado ou marido, exigirá dele amor e fidelidade, mas recusará o sexo impessoal.

O que fazer então?

A paixão é um tipo de amor inferior, bruto, animalesco, por ser um instinto cego que turva a inteligência, que pode ser usado contra nós ou a nosso favor, por isso precisamos fugir dessa dualidade de jogos de opostos.

A solução seria um amor sublime e superior desprovido de paixão.

Para tal, precisamos nos desapaixonar totalmente, passando a dominar, dirigir, comandar, proteger e ajudar corretamente a mulher.






Gostaria de acrescentar algo? Comente abaixo: