nov 20 2017

Amizade colorida

amizade colorida

Transar com a amiga ou ter uma amiga para transar regularmente é uma fantasia (para não dizer um dos sonhos) de boa parte dos homens, senão todos. Apostamos que com você isso não seja muito diferente.

Neste post, traremos alguns pontos de vista relacionados à “amizade colorida”

Afinal, como conseguir convencer uma garota a transar com você eventualmente (ou com certa regularidade) sem que essa troca de fluídos corporais culmine num relacionamento e suas cobranças?

E se ela não topar? E se ficar ofendida? E se ela gostar e quiser levar uma coisa a sério e você não, como sair fora?

Siga conosco que vamos procurar responder estas e outras perguntas.

Dúvida real

Dia desses, um ex-pupilo nos procurou para contar sobre sua evolução em vários campos em que está buscando o autoaperfeiçoamento, e comentou que não estava disposto a entrar em relacionamentos sérios, mas que gostaria de ter uns “rolinhos” para curtir de vez em quando, porém, não sabia como proceder porque não gostaria de sacanear ninguém.

Achamos um ato nobre de sua parte, pois ele não queria apenas “comer e cair fora” como muitos caras fazem. Mesmo que o objetivo seja sexo, ele via na outra parte um ser humano com sentimentos e uma história de vida, e que merecia ser respeitado. O que rolasse, teria de ser em comum acordo.

No guia de sedução “Mystery Method, Manual de Artes Venusianas”, escrito por Erik von Markovik, mágico canadense que usa o pseudônimo de “Mystery” (daí o nome de seu livro, “Método Mystery”), ensina como montar um harém de “RMLPs” (relacionamentos múltiplos de longo prazo), ou simplesmente “amizades coloridas” para nós brasileiros.

As mulheres criaram para si um termo próprio: “PA”, ou “pau amigo”. Acho que podemos criar um “XA” para nós também, de “xana amiga”. No final, o que importa, é que ambos os lados querem transar e (neste caso) ninguém quer manter laços e nem cobranças.

Voltando ao nosso ex-pupilo, dissemos já de início que não vemos problema nisso, mas que tudo tem de ficar muito claro desde o começo. Ele concordou, mas hesitou: “O foda é o jeitinho… Se eu mandar a real de cara elas vão resistir.”

Muito bem ponderado, temos de concordar. Se você chegar em qualquer mulher e falar de cara que quer transar, será escorraçado e taxado de maníaco. Pior ainda se disser que só quer comer, sem nada mais sério.

Por mais que elas saibam de antemão nosso objetivo, jamais desejarão se sentir como apenas objetos de alívio sexual, mesmo que elas também estejam procurando apenas extravasar, não aceitarão tal condição assim, “descarada”.

Abordagem Indireta

Nosso amigo pensou na hipótese de fazer uma “abordagem furtiva”, conforme aspas que ele mesmo colocou. E você nota o progresso da pessoa no momento em que ela projeta a situação em sua mente, mas ao mesmo tempo consegue pensar nas consequências daquele ato.

Assim que começou a ensaiar o roteiro mentalmente, ele já se deu conta de que uma abordagem indireta é um bom caminho para baixar a guarda de uma garota e chegar-se à intimidade.

Mas, chegando neste ponto, cairemos novamente na questão de estarmos ludibriando a menina, pois teremos 2 opções pela frente: contar a verdade e arriscarmos ter todo nosso empenho descendo pelo ralo, ou mentir, “comendo e caindo fora” como a maioria dos caras fazem, acabando com toda a possibilidade de conquistarmos nossa “xana amiga”.

“Santa encruzilhada, Batman! O que faremos agora? Nosso amigo precisa transar!”

Ponha as cartas na mesa

Vamos tentar fazer um brainstorm juntos a partir daqui.

  • Alguns caras desejam ter umas “XAs” para de vez em quando. É o caso do nosso amigo.
  • Algumas garotas desejam ter uns “PAs” para de vez em quando também.
  • Algumas pessoas não gostariam ou não aceitariam estar numa condição dessa.

Primeiramente, tanto os rapazes quanto as meninas (ambos maiores de idade) têm direito de transarem com quem quiserem e quando quiserem, tendo apenas como única obrigação, protegerem-se contra doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada.

O terceiro grupo, o de pessoas que não querem entrar nessa roda, devem ser respeitadas e jamais forçadas a fazerem algo contra a sua vontade.

Partindo pro tudo ou nada

amigos coloridos

“Chega de conversa e vamos logo com isso!”

Pois bem, você conheceu uma garota ou tem uma amiga e a coisa tá começando a ficar interessante entre vocês. Até aqui, você não precisa tocar no assunto de sexo.

Se quiser fazer a abordagem indireta, faça sem problema. Mas a partir do momento em que as coisas começam a esquentar e você percebe que só tá faltando o sexo mesmo, é hora de dar uma leve pisada no freio e botar as cartas na mesa:

– Olha, Fulana, tá rolando um clima muito quente entre nós, uma química muito forte, e talvez a gente acabe fazendo amor. Mas eu só aceitarei se você entender que não significa que teremos um relacionamento. Eu gosto de você e me preocupo com seu bem-estar, mas só continuaremos se você concordar que seja assim.

“Putz, que tiro no pé você deu agora, cara! Ela não vai topar de jeito nenhum.” – você pode estar pensando.

Meu amigo, aqui vai mais uma para o seu caderninho de anotações: você sabe quantos caras pisam no freio neste momento e relutam em “esvaziar o saco” porque estão pensando no bem-estar da mulher? Quase que nenhum! E é aqui que você pode se dar muito bem!

Meu jovem, elas sabem exatamente que a maioria dos caras só quer comê-las e depois ir embora sem olhar para trás, por isso grande parte das mulheres mantém a guarda sempre elevada. Isso não deve ser nenhum mistério, nenhuma novidade para ninguém. É notório.

Mas, quantos caras na vida ela vai encontrar que se preocupam verdadeiramente com ela sem quererem algo sério? Ela vai raciocinar que, se você se deu ao trabalho de pensar no lado dela antes, certamente se preocupará durante e depois da transa.

Sem contar o autocontrole, pois você poderia ter feito como a maioria, mas não. Quantos homens têm controle sobre as vontades de seu pau?

“Ah, mas pode ser que ela não entenda assim e recuse.” – você argumenta.

Certamente, você tem razão. E o que dissemos lá em cima sobre as pessoas que não querem entrar nessa? Respeitemo-las! Simples assim.

“Mas aí eu perdi uma foda praticamente certa!” – você reclama.

Sem dúvida, meu amigo. Mas aí você tem de se decidir se quer ser como a maioria dos caras ou pode escolher ser um homem diferente.

Você poder comer e dar no pé, e pode transar e continuar transando com uma garota que confia em você enquanto homem honrado, ou pode simplesmente perder essa foda, manter sua moral elevada e partir para outras “XAs”. Não depende tanto da menina ou da transa, mas de você para com você mesmo.

Mesmo que uma relação dessa seja aberta, ela tem de ser, antes de tudo, franca, mas principalmente baseada em confiança. E, para alcançar esse nível, só sendo muito sincero mesmo.

Mas, e se ela se apaixonar?

Pode acontecer de a garota sentir tanta confiança e cumplicidade em você, que queira sugerir algo mais sério. O contrário também pode, e você acabar se apaixonando. “Oh, God, e agora?”

Neste caso, você tem como álibi o fato de ter botado as cartas na mesa antes, e ela aceitado sabendo como iria ser. Possivelmente, ainda assim ela te acuse de ter se aproveitado, e toda aquela ladainha que a gente conhece, mas você tem a transparência do seu lado e não precisa ter receio em lembrá-la disso. Feito isso, ponha um ponto final e toca pra frente.

Conclusão sobre a amizade colorida

Se você esperava uma fórmula mágica para fazer todas as mulheres suas amantes, deve ter se frustrado com este post. Como dissemos lá na “Apresentação”, nosso intuito não é fazer dos homens meros comedores de mulheres, mas trabalhar os vários pontos em que podem melhorar.

Se seu intuito é apenas esse, existe um monte de sites por aí prometendo fórmulas de conquistas “inéditas e infalíveis”, em troca, é claro, de seu rico dinheirinho.

Ter várias “xanas amigas” não é simplesmente sair catando mulher a torto e a direito, mentindo e se esquivando o tempo todo para não ser descoberto.

É necessária uma grande dose de sinceridade para que se estabeleça confiança e cumplicidade, dando alguns passos para trás, controlando seu ímpeto e suas vontades, lembrando que a outra parte também é um ser humano como você, com seus anseios e necessidades. Neste outro post falamos mais a respeito.

Conquistar uma mulher é relativamente fácil, sem desmerecer o gênero feminino. Mantê-la, seja como companheira única ou múltipla, são outros quinhentos.

E, como estamos falando em “transas recorrentes” com garotas variadas, mas “fixas”, ainda que não haja cobranças, isso também significa estar num relacionamento, só que chamado de “aberto”.

Como em qualquer relação, tem de jogar limpo, mesmo que lhe custe perder alguém que não topa a parada. Não se pode ter todas.

A não ser que você pague alguns gurus que te pregarão o contrário, falando o que o cliente espera ouvir, explorando seus anseios. Mas, já advirto, eles sabem conquistar, já manter… justamente porque focam apenas na conquista e não na manutenção, que é muito mais trabalhosa.

Palavra do Mestre

Para reflexão, fica um trecho de Nessahan Alita:

“O homem nasce da vitória sobre o animal, sobre o instinto.
Vencer o instinto não é enfraquecê-lo ou suprimi-lo, mas dominá-lo,
transcendê-lo, dirigi-lo e usá-lo em nosso favor. Em uma palavra: assimilá-lo.

O domínio sobre os instintos requer a morte dos egos, elementários,
agregados psíquicos, eus, valores, complexos ou como
queiramos chamá-los: os nossos defeitos.
Nos confere um poder inigualável. Entretanto, aquele que fizer uso
errado ou egoísta do poder será um criminoso e terá que responder por isso.”
(O Magnetismo nas Relações Sociais – Introdução)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.