nov 13 2017

Como conquistar uma mulher difícil

mulher dificil

Conquistar uma mulher difícil é uma tarefa árdua.

Por quê elas rejeitam sistematicamente os homens? Como quebrar as barreiras que elas impõem? Existem mulheres invulneráveis? O que elas querem afinal?

Vamos tentar entender o que se passa na cabeça delas e como furar esse sistema de defesa. 

O escudo protetor

Aquela cara carrancuda, à primeira vista, pode assustar e manter afastados até os homens que se consideram os mais machões.

Toda e qualquer tentativa de aproximação é repelida imediatamente, tornando impossível qualquer construção de afinidade e empatia. Elas são totalmente refratárias a qualquer espécie de abordagem por parte do sexo masculino.

Mas, por quê isso ocorre? O que elas tanto temem? Não desejarem se relacionar como todo mundo? Como conseguirão agindo dessa maneira?

Por trás do escudo

São vários os motivos que fazem com que uma mulher se feche para uma abordagem masculina. Algumas acreditam serem exageradamente desejadas, ou pretendem criar essa “aura” para fazer com que os homens as desejem, valorizando assim o “produto”.

Também é uma maneira de filtrar o melhor macho do bando, o qual escolherá se entregar. Esses critérios de seleção não têm nada de lógicos e remetem ainda ao sistema de seleção da mulher primitiva. Falaremos disso futuramente.

Outro motivo, é o terror enorme que elas têm de sofrerem violência sexual. Esse medo é tão forte que as leva a rejeitar os homens incapazes de seduzi-las, como os tímidos, os desesperados, os pegajosos, os infantilizados, enfim, os fracassados, pois elas entendem que estes têm maior tendência de usarem da força o que não conseguem pelo jeito. Claro que não podemos generalizar.

Se essas mulheres são assim tão fechadas, como transpor seu escudo protetor se não temos abertura para uma abordagem consentida?

O que elas querem afinal?

O que essas mulheres procuram, no fundo, é serem amadas por um homem de verdade, aquele que não é um assediador barato que pensa apenas em transar com o maior número de garotas possível.

Se você emitir qualquer sinal mínimo de que seu interesse por elas é apenas sexual, as portas serão batidas na sua cara de imediato. Mystery se refere a isso como “telegrafar interesse”.

Olhares cobiçosos, insinuações, insistências, perseguições, luxúrias e qualquer outra coisa que denote uma intenção sexual fará com que você seja repelido instantaneamente.

Sempre que elas notarem que você quer um “algo mais” que não seja a amizade, o escudo será acionado. Como agir então para não acionar esse escudo?

Desarmando o escudo

Todo cuidado é pouco na hora de interagirmos com mulheres refratárias. Qualquer deslize e elas se fecharão dentro de suas conchas.

A boa notícia é que nem tudo está perdido se soubermos como agir e tivermos paciência para tal. Por isso é importante não ser desesperado (de verdade e não simulado) e agir com hombridade e honradez.

Sabendo agir, não existe mulher invulnerável, e para isso precisamos saber ler seus sinais. É perfeitamente possível abordar, interagir e conquistar sem precisar assediar.

Como?

Seduzindo uma mulher difícil

Mais acima, vimos que o desejo masculino explícito assusta, causa nojo, aversão, medo, repulsa. O segredo, então, é ocultarmos o nosso desejo.

O caminho das pedras consiste em demonstrar desinteresse nos atributos eróticos femininos, buscando antes de tudo estreitar os laços de intimidade. Enxergar na mulher um ser humano dotado de sentimentos, medos e anseios é um ótimo começo.

Se você se mostrar desinteressado, ela começará a lhe abrir passagens para seu mundo íntimo. É extremamente importante que você seja cauteloso e atravesse apenas as passagens que lhe forem permitidas. Lembra-se sobre não ter pressa, não insistir e não forçar? Pois bem, eis o caminho.

A intimidade sem malícia com um homem sem segundas intenções é uma brecha permanente na mente feminina. Quanto mais ocultos estiverem nossos desejos, mais abertura conseguiremos, o que soa paradoxal. Mas esta é a chave que desliga o escudo protetor feminino.

Alguns sedutores mais hábeis acabam usando desse conhecimento para o mal, para conseguirem apenas o sexo que tanto desejam, e quanto mais difícil a conquista, mais se vangloriam de seus feitos, e mais contribuirão para que continue esse cisma em algumas mulheres, conduta que discordamos.

No fundo, toda mulher quer se sentir acolhida, compreendida, segura, aceita como é e tendo um porto no qual pode se atracar.

Oculte ou mesmo elimine seu desejo, mostre atenção e interesse verdadeiros e aja com desinteresse, sem querer nada em troca, principalmente sexo. Isto virá por consequência, lhe garanto.

Tenha uma postura protetora (não em demasia) e firme, orientando-as, guiando-as, escutando-as e ajudando-as. Repreenda-as se for preciso, deixando sempre claro que é para o bem delas. Mostre desinteresse real, inclusive pela amizade delas. Desinteresse, não indiferença, entendeu?

Cuidado com o miguxismo

Desinteresse real, ser bom ouvinte, protetor, etc, não significa que você tenha que ser o conselheiro miguxo assexuado que não deseja ninguém. Longe disso.

Você, acima de tudo, é o macho superior que, por ter outras opções talvez melhores, não a deseja única e especificamente.

Tenha muto cuidado para não cair na Friend Zone!

Pegando pesado

Se a mulher for muito arredia, você pode até tomar a iniciativa de evitar o contato depois de atravessadas algumas passagens a fim de feri-la emocionalmente no intuito de diminuir-lhe o ego.

Rejeitar uma porta que lhe foi aberta tem o efeito de abrir-lhe outras portas mais, já que você mostrou desinteresse em se aprofundar. Na mente feminina, “talvez você tenha outras opções melhores que ela” ou “ela não seja tão interessante assim”, e possivelmente ela baixará um pouco mais a guarda da próxima vez.

Aqui cabe um ensinamento do Mystery quanto ao uso dos NEGs. NEGs são maneiras sutis de tirar uma mulher do pedestal sem necessariamente precisar ser ofensivo. Falaremos detalhadamente sobre isso em posts futuros.

Quanto mais arredias e mais altas estiverem no pedestal, mais fortes serão os NEGs utilizados. Nessahan Alita, base de nossos artigos, não utiliza desse termo, mas a “horrorização calculada” a que sempre se refere parece-nos exatamente com um NEG.

Ou seja, independente do autor ou da nomenclatura, o procedimento funciona.

A dança da sedução

Imagine-se numa dança, num “dois pra lá, dois pra cá”. Da mesma forma você agirá com mulheres difíceis, ora avançando, ora recuando espontaneamente, sem afobação. Todo o processo de sedução não deixa de ser uma dança. A dança do acasalamento propriamente dita!

Como saber se está dando certo?

Até aqui parece que estamos num “chove-não-molha”, mas a cada passagem que se abre, mais você adentra à intimidade feminina.

Aos poucos, ela começará a lhe revelar alguns segredos, observando sempre sua reação. Se você demonstrar-se verdadeiramente compreensivo, sem desaprovar seu comportamento, algumas vezes errôneos ou “cabeludos”, estará fazendo com que ela sinta-se aceita, criando mais confiança e aumentando ainda mais a intimidade.

Gradativamente, sem que percebam, elas já estarão envolvidas emocional e sexualmente, e o melhor, de forma totalmente consentida!

Concluindo

Mesmo que num primeiro momento você pareça ser um cara desinteressante para uma mulher refratária, se mostrar-se verdadeiramente desinteressado, ocultando seus desejos ao mesmo tempo em que demonstra ser protetor orientando-a, mais passagens ela lhe abrirá de sua intimidade, até o ponto de entregar-se por livre vontade aos seus encantos. Neste ponto, você finalmente poderá ser mais sexual, já que a cumplicidade foi alcançada.

Cuidado sempre redobrado com a Zona da Amizade e o miguxismo!

As defesas emocionais femininas, por mais que pareçam intransponíveis, se trabalhadas da forma correta (e honesta), podem ser derrubadas por aquele que demonstre ser de fato aquilo o que elas esperam de nós: homens de verdade.

2 comentários

  1. Tenho dificuldade em mostrar desinteresse sem ser indiferente. Eu consigo com maestria ser indiferente, é próprio da minha personalidade. Mas como exatamente mostrar desinteresse sem ser indiferente?

    Mais um post de alto nível, parabéns.

    1. Salve, Romeu!

      Realmente, a linha divisória é muito tênue, e só calibrando as ações e o comportamento para encontrar o ponto de equilíbrio. E, para calibrar, só saindo à campo e interagindo mesmo.

      Observe que o contrário da indiferença descamba para o miguxismo, então o ponto certo é de fato bem complicado de se achar. Complicado, mas possível.

      Forte abraço!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.