out 22 2017

A Contradição, a Indefinição e os Opostos

A contradição, a indefinição e os opostos

A contradição, a indefinição e os opostos são as ferramentas utilizadas pelas mulheres em seus jogos emocionais infernais.

Neste post, mostraremos como elas são usadas para nos irritar e enlouquecer e como destroçar esse tipo de comportamento feminino.

Os joguinhos emocionais

Vários são os motivos pelos quais as mulheres fazem jogos emocionais com os homens.

Elas podem fazê-los simplesmente para fazê-los de idiotas, atraindo-os e frustrando-os em seguida apenas para se autoafirmarem, como escrevemos neste post.

Podem utilizá-los a fim de selecionarem os melhores machos, ou seja, aqueles que não se perturbam nessas situações.

Também conseguem descobrir através deles muita coisa sobre os padrões, necessidades, desejos, resistências, temores e fraquezas masculinos.

Conseguindo esse “mapeamento” do homem, conseguem instrumentalizá-los em seu favor.

Dessa forma, conseguem provocar e irritá-lo até o limite, dominando-o através da influência dos sentimentos negativos implantados.

O homem, não sabendo o que está acontecendo ao certo, fica perdido no jogo de indefinições sem fim.

O padrão

Apesar de aparentemente insano e ilógico, esse comportamento segue um padrão.

Conhecendo esse padrão, o emaranhado de confusões passa a ficar inteligível para o homem.

Esse modelo consiste em dois traços de comportamento básicos, que são:

  1. Excitar as paixões masculinas, deixando os homens ansiosos;
  2. Frustrar os homens não satisfazendo esses desejos que acenderam.

A excitação do desejo masculino nem sempre é explícita, mas silenciosa.

Quando você presenciar qualquer situação desconcertante ou conflitante, analise friamente e notará esses traços do padrão acima.

Para que esse modelo obtenha êxito, elas utilizam de algumas ferramentas básicas que veremos a seguir.

A contradição, a indefinição e os opostos

Observe estas situações:

1 – Tudo indica que ela está interessada em você. Ela pede seu telefone mas não te liga.

Estranhando a demora, você pergunta se ela vai ou não te ligar.

Ela responde: “Talvez eu ligue…”, “Quem sabe…” ou ainda “Não sei…”;

2 – Ela te liga mas diz que quer apenas ser sua amiga;

3 – Ela finge que quer transar mas fica te enrolando, adiando os encontros e não fixando datas;

4 – Ela não atende suas ligações ou manda alguém dizer que não se encontra no momento;

5 – Ela troca olhares com você, e quando você a aborda, ela fica muda para te deixar nervoso e curtir com a sua cara;

6 – Muito comum com as mulheres casadas, ela dá sexo de boa qualidade ao marido por um tempo, mas depois recusa com desculpinhas esfarrapadas.

Note quão habilmente ela utiliza dos três elementos do subtítulo a fim de criar um quadro infernal ao homem.

Ele fica preso ao próprio desejo, sem saber como agir e acreditando que só ele deseja os encontros com a mulher.

É um jogo sujo e insincero, onde os sentimentos e desejos do homem são impiedosamente pisoteados.

A boa notícia é que, tendo agora o conhecimento de como tudo isso funciona, fica fácil desmantelar os joguinhos femininos.

Invertendo a situação

Ao invés de nos irritarmos com as frustrações, precisamos resistir à irritação e devolvê-la à mulher.

Para isso, primeiro precisamos aceitá-las como elas são, sem nenhuma expectativa, resistência ou revolta.

Em seguida, vem nossa mudança de atitude, reagindo de forma contrária à esperada.

Dando um exemplo, quando for atraído e em seguida rejeitado, ao invés de ficar insistindo, rompa com a relação.

Ao mesmo tempo em que você fere-lhe o amor-próprio, também frustra-lhe o desejo de te rejeitar.

Agindo dessa forma “impiedosa”, você também devolve a ela a consequência de seus atos.

Se você for casado e sabe que sua esposa adiará o sexo, diga abertamente que precisa dele, mas que, na negativa ou na enrolação, entende que ela estará dando passe livre para você arranjar outra mulher.

É por essa razão que muitas mulheres perdoam a traição de seus companheiros, porque no fundo sabem que foram culpadas por eles terem ido procurar “lá fora”.

Estabeleça suas regras

Deixe sempre muito claro que este ou aquele comportamento inadequado de sua mulher autoriza esta ou aquela atitude de sua parte.

Não discuta, apenas afirme. E devolva as consequências sempre que ela desrespeitar suas regras.

Isso não significa de nenhum modo que você deve elevar o tom de voz, gritar, agredir física ou verbalmente. Jamais.

Sua postura tem de ser calma, mas séria e firme, sem titubeações.

Qualquer sinal de dúvida e ela captará sua frouxidão.

O homem apaixonado

Já, para aqueles que estão apaixonados e têm medo de agirem assim e perder a mulher amada, meus pêsames.

Sua bananice as enoja, fique sabendo.

“Mas eu posso tentar convencê-la através do diálogo…”

Como se estivesse pedindo autorização, né?

Tentar convencer uma mulher pela racionalidade é perda de tempo, pois são seres emocionais, não racionais.

Além do que, elas vão te enrolar num emaranhado de histórias, desculpas e inversões de culpa.

Suas palavras não valem de nada nessas horas. Suas atitudes sim.

Uma postura firme, dura e impiedosa, que encurrale-as emocionalmente devolvendo-lhes as consequências, é o que basta para destroçar-lhes os joguinhos emocionais.

Para a contradição, a indefinição e os opostos utilize a coerência, a definição e a uniformidade.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.